Blog da Li Mendi

A arte de não adoecer

Se não quiser adoecer – “Fale de seus sentimentos”
Emoções e sentimentos que são escondidos, reprimidos, acabam em doenças como gastrite, úlcera, dores lombares, dor na coluna. Com o tempo, a repressão dos sentimentos degenera até em câncer. Então, vamos desabafar, confidenciar, partilhar nossa intimidade, nossos segredos, nossos pecados. O diálogo, a fala, a palavra, é um poderoso remédio e excelente terapia.

Se não quiser adoecer – “Tome decisão”
A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia. A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões. A história humana é feita de decisões. Para decidir é preciso saber renunciar, saber perder vantagem e valores para ganhar outros. As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.

Se não quiser adoecer – “Busque soluções”
Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo. Melhor é acender o fósforo do que lamentar a escuridão. Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença.

Se não quiser adoecer – “Não viva de aparências”
Quem esconde a realidade, finge, faz pose, quer sempre dar a impressão de que está bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho, etc. Está acumulando toneladas de peso. Uma estátua de bronze, mas com pés de barro. Nada pior para a saúde do que viver de aparências e fachadas. São pessoas com muito verniz e pouca raiz. Seu destino é a farmácia, o hospital, a dor.

Se não quiser adoecer – “Aceite-se”
A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima, faz com que sejamos algozes de nós mesmos. Ser eu mesmo é o núcleo de uma vida saudável. Os que não se aceitam são invejosos, ciumentos, imitadores, competitivos, destruidores. Aceitar-se, aceitar ser aceito, aceitar as críticas, é sabedoria, bom senso e terapia.

Se não quiser adoecer – “Confie”
Quem não confia não se comunica, não se abre, não se relaciona, não cria liames profundos, não sabe fazer amizades verdadeiras. Sem confiança, não há relacionamento. A desconfiança é falta de fé em si, nos outros e em Deus.

Se não quiser adoecer – “Não viva sempre triste”
O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem vida longa. A pessoa alegre tem o dom de alegrar o ambiente em que vive. “O bom humor nos salva das mãos do doutor”. Alegria é saúde e terapia.

(Autor: Dr. Dráuzio Varella)

[Texto enviado por e-mail pela Karine]

***
Se não quiser adoecer- “Seja paciente”
O seu amor milico nem sempre vai estar ao seu lado não “porque não quer”
, mas por uma série de imprevistos e compromissos que não dependem apenas da sua decisão. As missões são para serem cumpridas. Antes de começar uma briga e desgastar seu amor como o ferro a intempéries, respire, pense, segure-se. Isso te fará evitar muitos desentendimentos. Aprenda a se colocar no lugar dele e ver de outro ângulo. A paciência é um exercício.

Se não quiser adoecer- “Olhe para você”
Mergulhar em uma depressão não é difícil, pois eles estão constantemente longe e nos fazem muita falta. Parece que levam um pedaço de nós. Só que, se você viver focando nessa lacuna e esquecer do resto do “copo que ainda está cheio”, vai viver para ser triste! Olhe para você, procure ai dentro fontes de alegria, valorize-se, cuide-se, ame-se. Inicie projetos, arrisque-se mais.

Se não quiser adoecer – “Ame também a carreira dele”
Às vezes, dá vontade de xingar todos os nomes feios, mandar tudo lá para… isso aí, aquele lugar mesmo. Afinal, você passou o fim de semana sem ele, perdeu o feriadão… Não tem como ficar zen de primeira. Mas queira sim, queira não, vai ter de começar a entrar no ritmo dele, ou então, é melhor pular fora. Pesquise, se informe, pergunte, se intere, saiba tudo que puder sobre o mundo dele: regras, objetivos, missões e veja que aquilo será importante para ele no futuro.

Se não quiser adoecer- “Ame e ame”
Quem ama, larga o orgulho de lado, após uma briga, puxa-o para perto e vai curar-lhe as feridas e a dor do corpo e da alma. Coloca no colo e dá o afago necessário, apesar das burradas e mancadas, apesar das ausências, apesar dos defeitos, apesar e apesar. O amor é “apesar de” sempre. O amor não fecha os olhos, não é cego coisa nenhuma. O amor tem os olhos bem abertos e atentos para ser capaz de enxergar o que os outros não têm atenção para perceber.

 

6 respostas

Deixe uma resposta

Quer fazer um comentário?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *