Família Boquimpani Bochimpani Bocchimpani Origem Imigração Italiana

Família Boquimpani, Bochimpani – Conheça nossa história e origem

Tenho a honra de ser uma Boquimpani e você chegou aqui porque está procurando por nossa família Boquimpani também? Então, venha fazer parte do nosso grupo “Família Boquimpani no Facebook”!

Nós também estamos levantando toda nossa árvore genealógica e colocando na ferramenta gratuita Geneanet:
Os Boquimpani chegaram ao Brasil vindos da Itália, por conta do sofrimento e agruras da guerra. Eles se instalaram em Friburgo, junto com outras famílias, como a Spinelli, por exemplo, que é o sobrenome da esposa do meu cunhado! =)

Os nossos trisavôs vieram de Ferrara, Itália (Saiba mais sobre a história da cidade):

Ferrara Itália origem migração Italiana Família Boquimpani   Família Boquimpani Bochimpani Bocchimpani Origem Imigração Italiana

Nossos trisavós eram Secundo Bochimpani e Adelcisa Polleti. (Os descendentes narram diferentes grafias, com dois ou um C, mas, o importante é que, sim, nós sabemos quem foi o casal guerreiro que chegou aqui com nossos bisavós pequenos: Pedro, Enzo Luigi e Alberto Bochimpani.

 

Família Boquimpani Bochimpani Bocchimpani Origem Imigração Italiana

Meu querido bisavô que não tive a honra de conhecer, morou em um sítio em Friburgo e criou lá seu filho Augusto Boquimpani, que teve 7 filhos, um deles é meu pai Herondino.

No seu passaporte, temos a inscrição do nosso nome como “BOCHIMPANI”.

Família Boquimpani Bochimpani Bocchimpani Origem Imigração Italiana

Pedro Bochimpani

Família Boquimpani Bochimpani Bocchimpani Origem Imigração Italiana

Família Boquimpani Bochimpani Bocchimpani Origem Imigração Italiana

Nós gostaríamos de saber ainda mais, por isso, convidamos a você para entrar na ferramenta Geonet gratuita para reconstituir nossa história. Clique aqui para Editar a árvore da Família Boquimpani.

1- Acesse: https://pt.geneanet.org/

2- Faça seu login e senha de graça.

3- Para localizar nossa árvore, no campo do Menu “Pesquisar” > “Pesquisar um Antepassado”, busque por “Pedro Bochimpani Secundo”.

Atenção: o campo “Nome” é o que nós, no Brasil, chamamos comumente de “sobrenome”. No campo “Nome Próprio”, coloque “Pedro”. Veja a figura abaixo.

4- Quando exibir a árvore, você poderá incluir sua família. Para colocar pais, irmãos, clique no lápis verdinho, conforme figura abaixo. Então, abrirá uma opção em leque.

Importante: Coloque tudo que conseguir! Local, nascimento, falecimento, casamento, datas, tudo!

Família Boquimpani Bochimpani Bocchimpani Origem Imigração Italiana

Escolha o que deseja:

Família Boquimpani Bochimpani Bocchimpani Origem Imigração Italiana

Eu estou lá com nome Eliane, meu nome de autora leva meu apelido “Li”. =) Se você ficou emocionado de conhecer sua história, entre agora mesmo no nosso grupo da “Família Boquimpani no Facebook”! E contribua com a construção da nossa árvore. Escreve aqui nos comentários do site abaixo um pouco sobre você!

Obs: Nós começamos a árvore no Family Search, mas, lá não dá para visualizar pessoas vivas (se você adicionar, só você verá). Apenas fica público a árvore das pessoas falecidas. Então, vamos priorizar o Geneanet.

Cidadania Italiana, entenda:

Muitos procuram a origem da família Boquimpani com o objetivo de conseguir tirar a cidadania. Estamos tentando recolher documentos e atingir esse objetivo também. Quem tem direito a ser um cidadão italiano?

“Todo homem italiano passa, automaticamente, a cidadania italiana a todos os seus filhos – mesmo que eles tenham nascido em outro país. Então não importa se o italiano era o seu trisavô, o seu bisa ou o seu avô, em linhas gerais, muito provavelmente você tem direito à cidadania italiana! Os descendentes desse italiano também passam a cidadania a seus filhos, mesmo que eles próprios nunca tenham “ido atrás” da cidadania italiana.
Toda mulher italiana passa, também, a cidadania aos descendentes. Porém isso só vale se os filhos dela tiverem nascido depois de 1 de Janeiro de 1948.” (Fonte)

Cidadania Italiana (Com origem sanguínea da Família Boquimpani) para cônjugues:

Queria deixar aqui algumas dicas para os “esposos” e “esposas” dos Boquimpani, que eventualmente gostariam de tirar a cidadania por casamento.

Se você vai tirar a cidadania por uma questão de herança de sangue, terá dupla nacionalidade. Mas seu conjugue se quiser fazer cidadania por casamento renunciará ao Brasil ok? Meu marido vai tirar agora de Português e minha despachante que é advogada com OAB e professora há anos de direito internacional me explicou que:

Quando você tira a nacionalidade pelo “casamento” você renega o Brasil e todos os seus direitos civis de cidadão.

O que acontece é que hoje os sistemas de banco de dados não se falam. Então, você segue sua vida achando que tem dupla nacionalidade, mas não tem.

Só que você tira passaporte, vai precisar validar seu casamento no outro país… ou seja? Bancos de dados vão se formando. E quando os países trocarem informações, o Brasil verá que você não é mais brasileiro.
E como morar fora? Vou dar o meu exemplo:

Meu marido sendo Português se mudará para Portugal comigo (hipótese). Passado 3 meses, prescreverá meu visto de turista. Então, eu irei a uma SEF (Serviço de Fronteira), vou mostrar minha certidão de casamento reconhecida já previamente por Portugal. E eles vão me dar um visto para permanecer lá o tempo que meu marido desejar estar lá. Logo, se for para morar, você não precisa tirar cidadania por casamento, ok?

Nenhum despachante explica isso, ok? Já sai tirando para a família toda.

Eu gostaria de tirar a Italiana e de conhecer as origens da minha família. Mas, em teoria, se for só pra morar na Europa, eu já tenho o direito pelo meu marido português.

Fiz um post COMPLETÍSSIMO sobre perder a cidadania brasileira por casamento com extrangeiro.

Saiba mais sobre a Imigração Italiana e os imigrantes Boquimpani:

“A imigração foi um dos traços mais importantes nas mudanças socioeconômicas ocorridas no Brasil a partir das últimas décadas do século XIX. Cerca de 3,8 milhões de estrangeiros entraram no Brasil entre 1887 e 1930, com os italianos formando o grupo mais numeroso (35,5% do total), vindo a seguir os portugueses (29%) e os espanhóis (14,6%). Em decorrência da forte demanda de força de trabalho para a lavoura do café, o período de 1887 a 1914 concentrou o maior número de imigrantes, com aproximadamente 2,74 milhões de pessoas. Os italianos, mais uma vez, constituíram o principal agrupamento nacional a fornecer mão de obra para a economia cafeeira. A mobilidade social ascendente dos imigrantes nas cidades é inquestionável, como atesta seu êxito em atividades comerciais e industriais, informa-nos o historiador Boris Fausto. E foi exatamente isso que ocorreu, comparando-se os italianos que imigraram para Nova Friburgo em relação aos que se deslocaram para o Centro-Norte Fluminense.

Os que imigraram para essa região para trabalhar nas plantações de café, raramente prosperaram. Imigraram para o Centro-Norte Fluminense os Zagni, Bianchini, Pietrani, Bolorini, Temperini, Boquimpani, Stanísio, Topini, Chimini, Polloni, Topini, Broglia, Montechiari, Angelis, Giampaoli, Latini, Storani, Tambesi, Baldoni, Forconi, Tacconi, Cimini, Pianesi, Bartola, Moriconi, Lelli, Temperini, Fratani, Badini, Sagretti, Talarico, Castricini, Pietrani, Bonan, Bollorini, Campagnucci, Bochimpani, Margaratini e Segalotti. A maioria desses italianos vieram na condição de colonos e ficaram reduzidos à mesma condição social e econômica de um caboclo. No entanto, se observarmos os italianos que, ao final do século XIX, imigraram para Nova Friburgo, percebemos que, ao contrário, boa parte deles prosperou economicamente, atuando em diversos ramos industriais, comerciais e de prestação de serviços. Presume-se que os núcleos urbanos ofereciam melhores condições de ascensão social do que o campo. No caso dos Spinelli, Luiz e Marieta Zuanazzi Spinelli chegaram ao Rio de Janeiro em 13 de janeiro de 1889, e depois de trabalharem algum tempo para o Barão de Duas Barras, em Cantagalo, migraram para Nova Friburgo. Luiz Spinelli trabalhou inicialmente em serviços de aluguel de carroças, limpeza pública e na construção civil. Seu primeiro estabelecimento comercial foi uma padaria e a partir de então, Luiz Spinelli, já auxiliado pelos seus onze filhos, fez com que os negócios da família Spinelli prosperassem até tornar-se uma grande holding em Nova Friburgo.”

Fonte: História de Friburgo e os Boquimpani.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer fazer um comentário?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *