Síndrome do Intestino Irritado ou Síndrome do Cólo Irritado

Eu tenho a Síndrome do Intestino (Colo) Irritado SII – E agora?

Eu tenho a SII (Síndrome do Intestino Irritado) há 6 anos e já sofri horrores com isso. Tentei remédios, exames, tratamentos etc. Mas, o que mudou minha vida foi a terapia por TCC (Terapia Cognitiva Comportamental). Fiz um ano e meio de sessões uma vez por semana. Descobri todos os gatilhos que disparavam as dores de barriga, aprendi a viver com isso e a cuidar de mim mesma (dormir, priorizar tempo para exercício, diminuir a ansiedade) e a lidar com o pânico de ficar em locais desprovido de banheiros (ou limpos). Minha terapeuta Daniela Assis me tirou de uma grande depressão. Lembro de ter chegado à sessão chorando muito, tomando Amitril para ansiedade e vindo de uma internação por desidratação e menos quinze quilos. Eu estava no fundo do poço. Quando tive minha alta, nos emocionamos e hoje saio como alguém que sabe lidar com sua síndrome e passo até dois meses sem nenhum episódio. O importante é que aquele quadro de dor de barriga por um mês inteiro ou dois passou! Ela atende aqui no Rio de Janeiro no Humaitá. Se quiser o contato, eu passo por e-mail ([email protected]). OBS: Ela não sabe que estou aqui falando dela rs. Não é propaganda. Mas, vamos falar mais sobre o assunto abaixo! Vem comigo:

Você que tem Síndrome do Intestino (ou Cólo) Irritado entende porque é esse nome, afinal, você chega a um ponto de ficar irritadíssimo com a situação! Brincadeira! Sabemos que é por outro motivo rs. Ela é uma das 20 disfuncionalidades gastrointestinais e começa depois dos 30 anos, sendo mais comuns os homens terem diarreia e as mulheres constipação. (Leia mais aqui)

Segundo Rama Shakti, “A teoria atual é que a síndrome do intestino permeável (também referido como “aumento da permeabilidade intestinal”) é o resultado de dano da mucosa intestinal. Obviamente isto faz com que haja mais dificuldade em descobrir e filtrar os nutrientes causadores no meio ambiente. Consequentemente, alguns resíduos que não seriam absorvidos normalmente, proteínas e gorduras incompletamente digeridas, juntamente com bactérias e suas toxinas começam a “vazar” fora do intestino e para a corrente sanguínea. Esta fuga desencadeia uma reação auto-imune, o que leva a problemas gastrointestinais (mencionados antes), bem como as erupções cutâneas, dores articulares, e comprometimento de sua autoimunidade. Segundo pesquisas, o intestino irritável poderia ser a causa de suas alergias alimentares, baixa energia, dores nas articulações, doenças da tireoide, doenças auto-imunes e metabolismo lento. (Leia o excelente artigo aqui >>)

 

SII Sindrome do Intestino ou colo Irritado

FONTE: https://ramashakti.com/sindromedointestinoirritavel/

Como eu, deve ter vivido boa parte da vida normal, com estômago de avestruz, digno de competidor de comilão de mais cachorro quente e hambúrguer por minuto e, de repente, regrediu para o estômago de bebê sensível.

Fase 1: você acha que é passageiro, se auto medica, corta uns alimentos, bebe água e espera que a vida seja boa com você e passe.

Fase 2: você começa a estranhar a frequência de dores de barriga ou prisão de ventre e acha que está grávido (a) do espírito santo, porque que ganha um barrigão de gases. Ok, pode rir, é seu direito, estamos no mesmo grupo.

Fase 3: Você não tem mais explicações para dar para a família, amigos e maridos para suas corridas ao banheiro e negações de alimentos que lhe oferecem. Ai vai ao médico.

Fase 4: Você faz mais exames que paciente que está com a doença mais rara do mundo e torce pra que dê qualquer resultado que não seja “está tudo ótimo”. Porque você sabe que sua vida está uma m! Com trocadilho. Mas, tudo dá perfeito. Sua ultra mostra uma vesícula linda, seu exame de sangue é de um atleta, você é a pessoa mais feliz do mundo (só trabalha um pouco mais do que deveria), seu exame de fezes não tem nenhum bichinho que morra com um remédio simples de gosto horrível (isso funcionava quando você era criança, oras!). Pronto, você quer se inscrever em algum teste de faculdade para estudarem você e testarem drogas novas pra que tenha sua vida social e física de volta. (Brincadeira!)

Fase 5: Você acha que seu médico só pode estar errado e, como não tem nada pra falar pra você mais, te diz que tem a síndrome. (Você não consegue acreditar.)

Fase 6: Você troca de médico e descobre que eles fizeram um complô para chegar ao mesmo diagnóstico. Eles vão variar a prescrição de remédio pra diminuir ou aumentar o ritmo do intestino, dependendo do seu caso. O problema é que eles sozinhos não vão resolver e isso é decepcionante no começo. Se relaxar o que come, pode até piorar muito e você culpa o remédio.

Ai pronto, welcome to the hell!!! Não sai do banheiro e tem crises de choro e desespero entre os azulejos. Reza e pede um milagre, diz que você é um cristão bonzinho e merece muito ajuda para que isso pare.

Talvez, você está imerso neste cenário há dias, meses ou anos e não lê esses sofrimentos nas páginas médicas por aí. Sim, há muita gente no mundo vivendo isso.

Começa a melhorar quando você sai da fase do desconhecimento e negação para a fase da informação, mudança de vida e luta. É preciso que você pare de se sentir infeliz e mude o que come, comece a fazer exercício e ser realmente menos estressado.

Uma sugestão: crie um pequeno diário alimentar e de rotinas digestivas. Pode ser num caderno ou no celular. Anote tudo que come e as reações. Além disso, acrescente qual é o seu estado emocional: passou por algum problema, estresse ou momento de ansiedade? Registre.

Isso é importante para você se autoconhecer e levar ao médico. Procure compartilhar com seu médico o que está passando detalhadamente e assim poderá te ajudar. Não faça uma única visita, mas, uma rotina de visitas ao seu médico. É importantíssimo.

Quais a perguntas que você mais vai ouvir na sua vida de Sii? “Você já foi ao gastro?”, “O que comeu?”. E aquele conselho irritante: “Você tem que se tratar, hen?” (O que te faz se sentir um largado com sua saúde e totalmente culpado pelo comportamente relapso, quando é claro que já foi em mil médicos).

No início, você vai culpar um maldito lanchinho com os amigos ou aquele doce de festinha de criança. Depois, que sair da fase da negação, vai caçar na rede alguma listinha de #badfoods.

Eu achei uma muito boa no site do Dr Drauzio e vou colocar abaixo com o complemento que vi em outros sites. É, claro, que isso não vai salvar sua vida, mas, que vai ser uma abertura do mar vermelho, ah vai! Ok, sem trocadilhos.
Como a minha reação é mais o piri, ai vai minha lista de proibições para a crise aguda de diarreia:

Colei na geladeira para lembrar.

Prefira:

1. Chás de qualquer espécie: mate, erva-doce, erva-cidreira, camomila, hortelã, de casca de goiaba, entre outros;
2. Sopa de legumes: chuchu, abobrinha, cenoura, batata, inhame, mandioquinha, abóbora etc.;
3. Arroz, macarrão, semolina, fubá, água de arroz, amido de milho, cuscuz de tapioca, torradas, biscoitos de amido de milho, bolacha de água e sal, torradas, pão francês;
4. Frutas: maçãs sem casca, caju, goiaba, banana-prata, pera sem casca, maracujá, limão, pêssego;
5. Água de coco, bebidas isotônicas, água filtrada ou fervida;
6. Sucos: limão, maçã cozida, pera sem casca, caju, goiaba coado;
7. Carnes magras (sem gordura; frango e peixe, sem pele) assadas, grelhadas ou cozidas;
8. Tomate sem pele e sem sementes;
9. Gelatina, sagu, purê de frutas (maçã, pera, banana-maçã, goiaba).

Evite:

1. Leite e derivados, como creme de leite, requeijão, queijo prato, parmesão, muçarela, iogurte, manteiga;
2. Farinhas e derivados de aveia, cevada e centeio (contêm alto teor de gordura);
3. Sorbitol, xilitol e manitol, encontrados em produtos dietéticos;
4. Cafeína (café em pó ou solúvel);
5. Bebidas gaseificadas, como refrigerantes e água com gás;
6. Bebidas fermentadas, como vinho e cerveja;
7. Oleaginosas, como nozes, amendoim, abacate e castanha;
8. Vegetais folhosos: alface, agrião, espinafre, acelga, couve e bertalha;
9. Vegetais ricos em ácidos estimulantes da contração vesicular: alcachofras, pimentão, alho, cebola e alho-poró;
10. Frutas laxantes, como laranja, melancia, melão, mamão, ameixa, abacaxi, uva e figo;
11. Frituras;
12. Condimentos (catchup, mostarda, orégano e pimenta);
13. Alimentos ricos em enxofre como brócolis, cebola, couve, couve-flor, bretalha, nabo, pimentão, repolho, rabanete, taioba, grão-de-bico, ervilha, lentilha, feijão, batata-doce, pepino e couve-de-bruxelas;
14. Óleos vegetais;
15. Carnes gordurosas;
16. Bolachas recheadas;
17. Doces com goiabada, marmelada, doce de leite, frutas em calda, bolos e chocolates.
18. Alimentos com muitas fibras como cereais integrais, vegetais de folhas verdes escuras como espinafres e frutas com casca porque aumentam a mobilidade do intestino e não ajudam a parar a diarreia;
19. Alimentos de difícil digestão como frituras, embutidos, leite e derivados, chocolate, bolos, biscoitos.
20. Alimentos que provocam gases e desconforto abdominal como feijão, ervilhas, repolho ou brócolis, por exemplo.

(Fonte Site Dr Drauzio )

Se o seu caso é prisão de ventre, posto que a prisão de ventre ai vão as dicas do Dr Drauzio:

1. Faça maior ingestão de fibras (legumes, verduras, frutas, cereais integrais, etc.), de alimentos com propriedades laxativas, como o mamão e a ameixa, de farelos em pó misturados aos alimentos ou diluídos em água ou em sucos e de suplementos com fibra na forma de biscoitos ou comprimidos.
2. Beba bastante líquido (aproximadamente dois litros por dia, se não houver contraindicação médica, pois pessoas com insuficiência cardíaca ou renal, por exemplo, podem não tolerar esse volume de líquido).
3. Pratique atividade física é outra medida essencial para o bom funcionamento dos intestinos.

Importante:
• Beba muito líquido, mas álcool com moderação, porque ele ajuda a desidratar as fezes;
• Saiba que a ingestão de farelo em pó pode aumentar a produção de gases;
• Coma frutas, se possível com casca, nos intervalos entre as refeições;

NO MEU CASO:

Vou dizer a minha experiência, depois de seis anos sofrendo de dores absurdas, barriga inchada e piriri nos priores momentos impróprios, decidi mudar RADICALMENTE a alimentação. Sim, diminui: bebidas gaseificadas e sucos artificiais, a cafeína, o glúten, a lactose e diminuí muito o açúcar refinado. Levou uma semana para eu ficar bem e mais leve, desinchada e sem dor! Mas, essa hora chega.

Eu uso no lugar da farinha, às vezes: fécula de batata, mandioca, tapioca, milharina, farinha de arroz para fazer bolos e meus pães.

No lugar do leite nas receitas, uso leite e óleo de coco e azeite de oliva. Nunca usei leite de soja, mas, uso o requeijão e pastinhas de soja.

Acesse aqui meu pintrest e confira os pins de receitas que selecionei pela web. (Se alguma receita indicado lá não tiver esses ingredientes acima, entenda-se que eu substituo por eles).

Eu me sentia muito fraca e depressiva, então, entendi que meu intestino não estava absorvendo os nutrientes e com isso eu ficava tão prostrada! Claro que com tanta desidratação é óbvio que eu ficaria com pressão baixa e sofrendo pra levantar da cama. E eis que ao tirar o gluten e lactose minha mente ficou mais ágil, dormi melhor e até o baixo astral passou!

SEU PSICOLÓGICO

É interessante quando os médicos dizem que tudo que você passa é movido pelo estresse. Mas, é importante entender bem o que isso significa. Pois, pode ter começado com um grande episódio de estresse em sua vida significativo, no entanto, não quer dizer que todas as vezes que tiver alterações da sii, parecerá um louco que quer destruir o mundo com um tacape e berra pela janela. Haverá momentos em que vai se perguntar: “por que estou com dor de barriga se minha vida está bem?” Sim, você está ali sofrendo no banheiro, no entanto, pode voltar para uma roda de amigos cheias de risos.

O descompasso dos nervos do seu aparelho digestivo é um mistério. Há momentos claros de porque estar acontecendo. Por exemplo, quando meu pai passou muito mal e ficou na UTI, eu estive tão nervosa, ansiosa e triste, que só passei mal naquela semana. Contudo, há também episódios em situações não aparentes. Pode ser que haja só acúmulo de trabalho, desejo de fazer muitas coisas boas ao mesmo tempo. Não é exatamente: problemas pessoais = sii. 

FRASES QUE IRRITAM E MAGOAM UM PORTADOR DA SII:

-Esse trabalho (faculdade/curso) vai matar você. A culpa é do seu trabalho! 

Se você que está lendo esta matéria é uma pessoa próxima a quem tem SII, não use essa acusação, pois, ela pode amar o que faz, amar seu ambiente de trabalho! O que pode estar passando é por um período de muita cobrança, final de um projeto, um trajeto de muito trânsito para o trabalho, alguma indisposição com um colega próximo, um período de baixo trabalho e, por isso, uma sensação de inutilidade e que pode ser demitida. Ou seja, tirá-la do trabalho significa tratá-la como uma criança que não é capaz de passar pelos sofrimentos. A SII não significa fugir de todos os problemas e se trancar em casa. É preciso continuar enfrentando o mundo. No momento em que diz isso, você não sabe o quanto irrita e magoa a pessoa.

Se quer dar conselhos, escolha um tom mais amigável e pergunte se ela não deveria se divertir mais, tirar um fim de semana para viajar… Sugira momentos de descompressão. Diga que ela não deve se preocupar com pensamentos ansiosos, pois, é muito competente! Isso, sim, pode ajudá-la. E se ela estiver depressiva, não diga nada. Sugira saírem, leve-a para um momento agradável.

-Você está fazendo que dieta? Como está magra! 

No início, você fica sem graça. Mas, eu já cheguei a ficar tão irritada após perder 15 kg, que dizia: “não é dieta, não, é dor de barriga mesmo, você quer?”. Sim, eu queria ver a pessoa sem graça para eu partir marchando de raiva. Mas, depois, aprendi a agradecer de forma evasiva, sem aprofundar no assunto, e não debater muito. Só abro para amigos. Felizmente, hoje, já consigo me alimentar melhor e fazer academia com frequência. Não é tão aparente a mudança para eles que já se acostumaram com a mudança pós SII. Quem me conheceu antes e reencontra ainda acha que fiz um Extreme Make Over da beleza.

-Que isso, vá se tratar! Procura um médico. Já foi a um gastro?

Pessoas que ouvem você falar do que sente e mandam você se tratar poderiam pegar a mochila e ir pra aquele lugar. Sim, porque é bem capaz de você já ter feito todos os exames possíveis e ir a muitos médicos. Elas não entendem que não há um remédio mágico para tomar e pronto, nunca mais Sii.  Sendo assim, contar para pessoas ignorantes, não vale a pena. E, se é bem seu amigo e quer abrir. Então, comece dizendo: “Olha, eu tenho uma síndrome que descobri depois de ir a médicos e fazer vários exames…” Já começa informando que você não é um sem noção com seu corpo e que nem liga para o que acontece.

OBS: Já foi a um gastro é a frase que me deixa muittooo chateada. Mas, não bate “largue esse trabalho”.

-Essa menina não tem nada, isso tudo aí é nervosismo.

Quando sua avó, pais, marido diminuem seu problema, porque eles não querem entender o que é, não se conformam com o que sejam e te resumem a um nervosinho ou nervosinha te golpeiam com a frase que pode, sim, levar alguém com SII a depressão. Se você não tivesse nada, não estaria sofrendo e, como sabe na pele, não é sempre que está arrancando os cabelos e, mesmo assim, passa mal por motivos bons, mas, que geram ansiedade. Eu vou explicar melhor antes que alguém já diga “olha, se é tão ruim assim, você não tem sii, mas, deve ter um câncer e não sabe”. Imagine que quer fazer uma viagem incrível: aí precisa arrumar malas, fazer o planejamento, organizar o roteiro e tem pouco tempo. Isso gera uma ansiedade, que, se for elevada, pode te dar sintomas digestivos conhecidos. Mas, não é algo ruim, a viagem será incrível e perfeita de… férias! Pode ser que lá, relaxado, nada aconteça. No entanto, antes, não impossível que, em torno deste lindo tema, você passe mal.

Complexo, não é? Por isso, não seja simplista ao julgar alguém com SII que “não tem nada”, porque é o mesmo que chamá-la de “fresca”, “fraca”, “fútil”.

-Você não pode comer com peso na consciência. Ai é que vai passar mal mesmo!

Essa ouvi recentemente e me deixou com vontade até de rir de tão idiota. Você sabe que, se fez todos os testes de alergia, começando pela lactose, e deu tudo negativo, não é sempre que passa mal com um alimento. Tem horas que sai bem de um rodízio de pizza, mas, há dias que um queijo não cai nada bem. Então, quem convive com você e te vê oras comendo e oras não comendo algo, não entende porque. Para elas, o mundo é tão simples como alimentos que se pode comer sempre, alimentos que não se pode comer nunca. Na verdade, pra você existem alimentos que você pode comer de vez em quando, sem sobrecarregar com outros semelhantes e alimentos que você pode comer sempre. Sendo que naquelas semanas mais críticas vai precisar comer o seleto grupo dos alimentos amigos rs.

-Tente relaxar, faça ioga, já pensou em meditação?

Ajudar, ajuda muitíssimo. Você aprende a controlar a respiração, os movimentos, a ser mais tranquilo. Só que quando alguém que está sofrendo a pior semana de SII ouve isso, juro, dá vontade de sair correndo. Porque esse reforço de que SOMOS OBRIGADOS A SER ZEN PRA SOBREVIVER cria na gente mais ansiedade e pensamentos obsessivos: “tenho que ser zen, tenho que ser calma, tenho que ser calma.”

DICAS MINHAS:

  1. Economize todo o dinheiro que puder e comece já a fazer TCC (terapia cognitiva comportamental). Foi só isso que parou de vez os ciclos longos de crise. Tenho uma vida saudável e feliz depois de um ano e meio de tratamento sério com uma terapeuta de TCC.
  2. Faça uma pequena folha com os alimentos que são favoráveis ou não para você e coloque na sua carteira. Bateu a crise, relembre deles. Faça uma semana da desintoxicação e volte a se regular. Volte a comer os “proibidos” aos poucos, acrescentando um de cada vez em pequenas doses.
  3. Coma muitas refeições em pequenas quantidades para seu intestino funcionar sempre, sem grande sobrecarga.
  4. Faça esteira ou caminho. No meu caso, me ajuda a dormir mais pesadamente e acordar melhor. Quando comecei, melhorou muito minha qualidade de vida.
  5. Crie um kit banheiro. Se você é homem, coloque na mochila ou no carro. Se você é mulher, mais fácil, faça uma pequena necessaire e coloque na bolsa com um vidrinho de ácool em gel, lencinho umedecido pequeno, protetor de vaso e uma pomadinha (se for seu caso). Mantenha sempre com você. Se precisar, é só sacar e usar. Quem já passou apuros bizarros sabe porque é importante. E, se nunca passou ainda, não queira passar…
  6. Tenha um hobby. Qual é sua válvula de escape? É hora de ter. Eu escrevo, ouço música e leio. Descubra a sua. Quando a semana for de trevas, você tem que ter algo para focar e que te dê prazer.
  7. Não coma na rua algo que duvide. Você não é como os outros, a sua chance de passar mal é muito maior. Se parece bem estranho o alimento, veja se tem banheiro no lugar ou se vai dar tempo de chegar em casa.
  8. Cuidado demais com sucos: laranja, melancia e abacaxi. São os que mais tem nos restaurantes. Não tome sempre, porque são laxantes. Se você tem prisão de ventre, tudo bem. Mas, se sua reação são dores de barriga, procure mais os de maracujá e limão. Ou, peça mate e água. Refrigerante deixe para uma festinha, porque os efeitos são ruins.
  9. Doces parecem tão inocentes. Mas, recentemente, diminui e senti melhoras. Então, não abuse dos concentrados: brigadeiro (não coma uma panela inteira).
  10. Crise? Nooo laticínios e derivados do leite at all.
  11. Tenha aliados: amigos próximos, família e parentes. Em momentos de apuros, eles entenderão quando você tiver que se retirar da mesa, sem que tenha que explicar tudo depois. Se é alguém desconhecido, diga que comeu algo que não lhe caiu bem e pronto. Sem mais.
  12. Piadas sobre seu sintoma podem sim surgir entre os não amigos, falsos amigos e colegas de trabalho. (É o que digo, não conte a todos.) Se acontecer, seja duro com a pessoa e diga: “Parece engraçado para você, mas, não é para mim, que tenho uma síndrome, obrigada por respeitar”. Essa ironia e quero ver se a pessoa não se sentirá ridícula. Mas, os amigos que brincam carinhosamente são bem vindos e eu rio e encaro numa boa!
  13. Amigos que insistem muito que você tem que ir ao médico, diga “Eu tenho uma síndrome e já fui diagnosticada e, sim, vou sempre ao médico”. Não explique muito, não vai te ajudar em nada.
  14. Se você usa muito banheiros, álcool em gel e protetor de assento. Parece muito idiota e óbvio, mas, nem sempre é sua casa.
  15. A pessoa que você ama e seus pais estarão sempre muito preocupados com você. Quando as coisas melhorarem para seu lado, diga que está bem, que ama a vida e que tem que conviver. Não se faça de coitadinho e use isso para ser o centro das atenções. Isso é maturidade.
  16. Se for viajar, evite alguns alimentos dois dias antes, leve seu kit no carro e vá feliz. Não pense que vai passar mal. Não esqueça os remédios que toma em momentos críticos. E CURTA A VIDA.
  17. Tenho uma amiga que usou homeopatia, outra medicina ortomolecular, outra acupuntura. Eu ainda não usei isso. Mas, se te dá alívio, vá em frente. Agora, se topar terapia, pode ser ótimo para entender o seu momento interior.
  18. Eu já perdi parentes com câncer e os vi definhar com as piores dores e degradações físicas até a morte. Quando lembro, meu problema se torna tão suportável. Então, eu agradeço demais a Deus por não ter nada crítico ou que leve a um câncer. Sendo assim, se você está se sentindo a pessoa mais infeliz do mundo, acredite, tem coisas mil vezes piores. Então, esse é seu peso, esse é seu dilema, essa é a sua vida. ENFRENTE! E viva o melhor que puder. A vida não é feita só de dias felizes.

Você, que acende a vela para o St Google todo dia, já deve ter lido tudo o possível na internet sobre o caso pra tentar não se mudar para o Tibet para rezar, visto que todo mundo só te manda não ficar estressado. Mas, mesmo assim, eu compartilho o texto ímpar do site do Dr Dráuzio. Porque tinha muitas explicações aqui que eu não tinha lido em lugar nenhum. Vale muito a pena dar uma lida. Em lugar do link, vou colocar o texto na íntegra com a fonte abaixo. (-Drauzio, thanks pelo seu trabalho).

 

SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL

Flavio Steinwurz é médico gastroenterologista, presidente da Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn (ABCD), diretor do Departamento de Gastroenterologia da Associação Paulista de Medicina, integra o corpo clínico do Hospital Albert Einstein.

O intestino é constituído por duas partes: o intestino delgado e o intestino grosso. O delgado (formado pelo duodeno, jejuno e íleo) estende-se do piloro – válvula que separa o estômago do duodeno – até a junção íleocecal, onde começa o intestino grosso, que vai desembocar no reto.

Muita gente se queixa de problemas intestinais. São cólicas intermitentes, gases que provocam distensão do abdômen, crises alternadas de prisão de ventre e diarreia, sensação de que o intestino não foi esvaziado completamente com a evacuação. Esses sintomas são comuns a muitas doenças intestinais. Uma delas é a síndrome do intestino irritável, um distúrbio funcional, sem causa anatômica nem lesões que o justifiquem. Por isso, seu diagnóstico é de fundamental importância para excluir a possibilidade de moléstias graves.

No passado, a síndrome do intestino irritável era atribuída apenas a alterações emocionais. Hoje se sabe que o intestino tem enervação própria e hormônios que regulam sua capacidade de excretar.

Drauzio – Irritável não é um termo que se use em medicina. O que ele significa na expressão “intestino irritável”?

Flavio Steinwurz – Os sintomas da síndrome do intestino irritável eram atribuídos a alterações emocionais do portador e caracterizavam um distúrbio chamado de colite nervosa. Veja que a palavra colite era empregada erradamente nesse caso. O sufixo “ite” indica inflamação. Como a síndrome do intestino irritável é um evento funcional que, ao contrário das doenças orgânicas, não apresenta lesões nem inflamação, não poderia ser chamada de colite.

Então, passou a ser usada a expressão síndrome do cólon irritável. Síndrome, porque não é uma doença, mas um conjunto de sinais e sintomas que se manifestam predominantemente no cólon que pareceria, por assim dizer, irritado, nervoso. Mais tarde, porém, verificou-se que o problema estava relacionado com ondas peristálticas anormais e que a falta de coordenação motora não acomete só o cólon, mas outras partes do tubo digestivo. Diante disso, para sermos precisos, a síndrome deveria ser chamada de esofagogastroenterocolopatia funcional, nome complicado demais.

Na língua inglesa, essa síndrome é conhecida como Irritable Bowel Syndrome. Bowel significa tripa. Ora, chamá-la de “síndrome da tripa irritadiça” também não parecia uma escolha adequada. Por isso, optou-se por síndrome do intestino irritável, nomenclatura mais de acordo com a que existe mundialmente sobre o assunto.

Drauzio – A coordenação motora do intestino é absolutamente necessária para fazer o bolo fecal progredir nos intestinos. Ela depende não só de estruturas anatômicas (músculos, mucosas, etc.), mas de mediadores químicos que vão agir nas fibras musculares provocando contrações. Esses mediadores são semelhantes aos liberados pelo sistema nervoso central, a ponto de, em medicina, o intestino ser considerado um segundo cérebro. Qual a relação entre as alterações emocionais e a motilidade do intestino?

Flavio Steinwurz – No passado, achava-se que o problema era puramente emocional. Hoje, sabemos que o intestino tem um segundo cérebro representado por mediadores e um sistema nervoso próprio. Sabemos também que a região do hipotálamo no cérebro, entre outras funções, é responsável pelo impulso das emoções e tem ligação direta com o sistema nervoso autônomo simpático e parassimpático. Sabemos, ainda, que o principal nervo do sistema parassimpático, o nervo vago, enerva todo o tubo digestivo. Ele estimula a secreção de ácido, de enzimas, de fatores digestivos e coordena a movimentação do intestino. Além disso, há cerca de cinco anos, descobriu-se que existem hormônios e receptores para esses hormônios localizados no tubo digestivo, similares àqueles encontrados no sistema nervoso central e que são chamados de encefalinas, por analogia a encéfalo (cérebro). Portanto, o tubo digestivo possui enervação própria e hormônios que regulam sua motilidade e capacidade de secretar. Tudo isso nos permite afirmar que existe relação direta entre a emoção integrada no hipotálamo e a motilidade do intestino.

SINTOMAS
Drauzio – O que interfere na motilidade do intestino?

Flavio Steinwurz – O movimento peristáltico caracteriza-se por um conjunto de contrações musculares dos órgãos ocos e tem por finalidade juntar o bolo fecal e fazer uma varredura no intestino, provocando o avanço do conteúdo ali existente. De forma coordenada, ocorrem contrações e relaxamentos sucessivos da musculatura lisa que empurram o bolo fecal para baixo para que seja expelido.

No intestino irritável, essa coordenação está defeituosa e não promove o movimento propulsivo adequado. O esforço que o intestino faz para eliminar o que está retido dentro dele acarreta um estímulo grande em suas paredes e provoca, num primeiro momento, prisão de ventre e, depois, evacuações de fezes fragmentadas, em pedaços, muitas vezes amolecidas, de calibre pequeno pela contração excessiva, assim como alternância das crises de obstipação e diarrea.

Drauzio – Que sintomas provoca a descoordenação do movimento peristáltico?

Flavio Steinwurz – Os principais sintomas são dor e desconforto causado pelo acúmulo excessivo de gases. Muitas vezes, no fim do dia, o indivíduo é obrigado a abrir o cós da calça, porque sente a barriga estufada. Além disso, pode ter tanto intestino preso como intestino solto, ou ambos alternadamente, dependendo da irritação que as alterações da motilidade intestinal tenham provocado.

Drauzio – Há alguma relação entre esses sintomas e as refeições?

Flavio Steinwurz – A refeição é um estimulante do movimento intestinal, de um movimento de massa desencadeado pelo reflexo gastrocólico. Ou seja, quando o alimento chega ao estômago, através de hormônios e estímulos nervosos, é enviado um comando que estimula as contrações e provoca aumento na motilidade do intestino. Como esse reflexo é tanto maior, quanto mais longo for o período de jejum que antecedeu a alimentação, normalmente, ocorre pela manhã, depois de uma noite inteira de jejum.
Na síndrome do intestino irritável, o reflexo gastrocólico e o movimento de massa estão exacerbados. Por isso, as manhãs são difíceis, porque aumentam os reflexos e, consequentemente, aumenta a necessidade de evacuar. Em cerca de 70%, 80% dos casos, os portadores da síndrome têm diarreia e evacuam várias vezes depois do café da manhã.

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
Drauzio – Um dos problemas da síndrome do intestino irritável é que os sintomas são comuns aos de muitas doenças do intestino. Um deles é a alternância de obstipação e diarreia, que aparece também nos casos de câncer de intestino. Flatulência, dor, alteração na consistência das fezes podem ser sinais de doenças inflamatórias como a retocolite ulcerativa e a doença de Crohn. Quais os cuidados necessários para não confundir os sintomas da síndrome com os de outras doenças mais graves?

Flavio Steinwurz – É muito importante diferenciar a síndrome do intestino irritável de uma doença orgânica. Caso contrário, poderemos passar por cima de problemas sérios que exigem tratamento específico.
O diagnóstico da síndrome leva em conta os sintomas e é feito por exclusão. Se o indivíduo tem menos de 50 anos, fez exames de atividade inflamatória, exames de sangue que não revelaram perda de ferro e anemia, exame de fezes para detectar se o sangue oculto é negativo, se não existir histórico familiar de outras doenças intestinais, pode-se tentar o tratamento com drogas para intestino irritável e observar. Se não houver melhora, o paciente deve ser encaminhado para colonoscopia.
No entanto, se ele tiver mais de 50 anos, se o exame de sangue oculto nas fezes for positivo e houver histórico familiar de outras doenças do intestino, a colonoscopia será prescrita imediatamente para excluir a possibilidade de uma doença orgânica grave. Como se vê, o diagnóstico de intestino irritável é feito ao excluirmos patologias mais graves.

Drauzio – Quanto tempo se pode esperar pela resposta ao tratamento com drogas para a síndrome do intestino irritável?

Flavio Steinwurz – O tempo é curto. Não mais do que um mês. Se nesse tempo o indivíduo não responder ao tratamento, será encaminhado para a colonoscopia.

Drauzio – Lembrando que a colonoscopia é um exame feito com um tubo flexível e elástico que permite ver por dentro todo o intestino grosso e uma parte do intestino delgado, se o resultado for normal, você se tranquiliza?

Flavio Steinwurz – Na verdade, não, porque ainda existe a possibilidade de haver alguma alteração na parte do intestino delgado que o aparelho de colonoscopia não alcança. Num primeiro momento, porém, o exame dá certa tranquilidade e permite tentar o tratamento para a síndrome do intestino irritável. Caso os sintomas persistam, a investigação das causas prossegue. Avalia-se o intestino delgado para verificar se não existe algum problema na absorção dos alimentos ingeridos – o paciente é intolerante à lactose, por exemplo – ou existe um problema relacionado com o próprio intestino. Para tanto, pede-se um exame de raios-X de trânsito intestinal para examinar o intestino delgado inteiro e diagnosticar dificuldades com as enzimas pancreáticas ou a doença celíaca provocada por alergia ao glúten.

TRATAMENTO

Drauzio – Depois que se chegou à conclusão de que o problema é mesmo funcional e ligado à motilidade do intestino que não ocorre de forma adequada para a progressão do bolo fecal, o que se faz?

Flavio Steinwurz – Primeiro, tento tranquilizar o paciente, dizendo-lhe que a síndrome do intestino irritável é a patologia intestinal mais prevalente no mundo, até porque a tendência, hoje, é classificar a constipação crônica como síndrome do intestino irritável..

Drauzio – Se incluirmos na síndrome todas as pessoas que têm prisão de ventre, metade da população teria a síndrome, pois praticamente todas as mulheres se queixam desse problema.

Flavio Steinwurz – Estima-se que 40% da população mundial tenham a síndrome, um número absurdo, de fato. Mas, em geral, a pessoa fica mais tranquila quando sabe que não é portadora de uma doença orgânica, que não existem lesões e não precisa ser operada.

Drauzio – Qual é, então, o objetivo do tratamento?

Flavio Steinwurz – O objetivo do tratamento é controlar o movimento do intestino e recuperar sua coordenação motora normal. Isso pode ser conseguido com orientação alimentar e medicamentos.
Alimentos ricos em fibras solúveis e insolúveis favorecem a formação adequada de um único bolo fecal. Na grande maioria das vezes, porém, a pessoa precisa também de medicação para controlar a motilidade fecal, quer seja pela ação de hormônios, quer seja por ação direta na movimentação do intestino. Apenas alguns poucos pacientes necessitam de remédios que rompam o vínculo entre alterações emocionais e funcionamento dos intestinos.

Drauzio – Quais são as fibras solúveis e quais são as insolúveis?

Flavio Steinwurz – Fibras solúveis são as que formam e compactam o bolo fecal. Normalmente, são encontradas em polpas de frutas e em alguns cereais. Já as insolúveis formam o bolo fecal, mas não têm o poder de compactá-lo. Funcionam mais como laxante e estão presentes nas cascas das frutas e de cereais e em todas as verduras.
De acordo com a tendência a apresentar constipação ou diarreia, os portadores da síndrome do intestino irritável serão orientados a ingerir mais fibras solúveis ou mais fibras insolúveis.

Drauzio – Que alimentos devem ser evitados?

Flavio Steinwurz – O leite e seus derivados, por exemplo. Na verdade, 70% da população acima dos 60 anos já desenvolveram certo nível de intolerância à lactose, ou seja, ao açúcar do leite, que fermenta e intensifica a produção de gases. Isso favorece a distensão do abdômen a tal ponto que o indivíduo é obrigado a abrir o cós das calças no fim do dia.

Drauzio – Como resolver esse problema se leite e derivados são importantes fontes de cálcio especialmente para a população de mais idade?

Flavio Steinwurz – Existem leites especiais, com baixo teor de lactose e o mesmo teor de cálcio dos leites convencionais.

Drauzio – Existem outros alimentos que também devem ser evitados?

Flavio Steinwurz – Devem ser evitados alimentos que irritem os intestinos, como condimentos picantes e produtos com excesso de conservantes. Como o sal grosso tem efeito osmótico e aumenta muito o fluxo de água para dentro dos intestinos, favorecendo a irritação intestinal, está na lista do que deve ser evitado. Da mesma forma, desaconselha-se a ingestão excessiva de açúcar, principalmente de doces muito concentrados, como brigadeiro, quindim, leite condensado.

Drauzio – Quem tem a síndrome do intestino irritável consegue levar vida normal, sem tomar remédio nem passar por fases de grande desconforto?

Flavio Steinwurz – É muito difícil. Em geral, os portadores da síndrome precisam de remédio. Isso não quer dizer que o uso de medicamentos deva ser crônico e contínuo, como acontece com outras doenças do intestino. Eles podem ser prescritos nas fases de maior desconforto, por não mais do que um ou dois meses.
É evidente que o indivíduo com propensão para manifestar a síndrome, depois de alguns anos sem manifestações clínicas, por fatores emocionais ou algum distúrbio na motilidade intestinal, pode voltar a apresentar os sintomas e ser obrigado a retomar o tratamento.

(Fonte desta entrevista: Site Dr. Drauzio Varela)

Uma outra matéria que me ajudou demais foi a do Rama Shakti, que reproduzo os trechos abaixo:

O que é Síndrome do Intestino Irritável (ou intestino poroso) ?

Pense no forro de seu trato digestivo como uma ‘rede’ com buracos extremamente pequenos que só permitem que substâncias específicas passem. Seu revestimento intestinal (rede de buraquinhos) funciona como uma barreira separando as partículas maiores, que podem danificar o sistema.

Quando alguém tem intestino irritável (muitas vezes referido como aumento da permeabilidade intestinal) a “rede” em seu aparelho digestivo se danifica, o que provoca buracos ainda maiores em sua rede, então aquilo que normalmente não podia passar, está agora passando.
Algumas das coisas que podem estar passando podem incluir proteínas como GLUTEN, más bactérias e partículas de alimentos não digeridos. Resíduos tóxicos também podem vazar da sua parede intestinal em sua corrente sanguínea como o Glutamato Monosódico e o Metanol formado pelos açucares sintéticos causando uma reação imunológica. Resíduos tóxicos são partículas do alimento fermentado e não completamente digerido contendo bactérias prejudiciais à saúde como é o caso das bactérias intracelulares.

Um dos maiores sinais de alerta que você possa estar com buracos em sua rede (Síndrome do Intestino Irritável) pode ser que você esteja experimentando sensibilidade à certos alimentos. Muitos arrotos são fortes sinais de presença de bactérias no trato digestivo assim como inchaço no abdômen.

Parcialmente digeridas, as proteína e as gorduras podem infiltrar-se através de seu revestimento intestinal caminhando por sua corrente sanguínea o que causará uma resposta alérgica.
Esta resposta alérgica não significa que você vai ter uma reação em todo o corpo, mas pode levar a um dos sintomas mencionados acima. E, se for deixado sem tratar pode levar à problemas de saúde mais graves, como a doença inflamatória do intestino, síndrome do intestino irritável, artrite, eczema, grande quantidade de acnes, psoríase, depressão, ansiedade, dores de cabeça de enxaqueca, dor muscular e fadiga crónica. De acordo com o ‘Journal of Diabetes’ há um forte corpo de evidências que apontam para intestino irritável como uma das principais causas de doenças auto-imunes, incluindo Esclerose Múltipla e Diabete Tipo 1.

(Leia a matéria completa aqui >>)

 

Viver passa pela tarefa de nos entendermos e de aceitarmos o que não podemos mudar. E mudarmos o que podemos para manter a felicidade mais do que a infelicidade. Somos os agentes da nossa história e, não, os expectadores. Procure a terapia por TCC e de verdade você vai ver mudanças! Ache um terapeuta de TCC que te compreenda e te apoie. Nunca vou esquecer uma frase da Dani: “Você precisa começar a deixar de viver em torno da SII como se ela fosse o centro da sua vida. Ela está ali, precisa viver apesar disso”. 

Você está vivendo em torno do seu problema como um satélite?

11 respostas
  1. BRUNA
    BRUNA says:

    Oi, Li
    Fui diagnosticada hj com a Síndrome do intestino irritável, minha gastro disse que apenas 2% da população sofre disso e que pessoa com QI elevado são mais promessas a terem essa síndrome… eu não consegui entender direito a relação entre QI, serotonina, cálcio e síndrome.. só sei que no meu caso eu vomito muito e tb tenho diarreia e insônia. Ela disse que pessoas com essa síndrome tem facilidade de aprendizagem, tem dificuldade de aceitar perda, são perfeccionista, geralmente tem problema com foco e são comunicativas. Não sei se inicio o tratamento com os remédios que ela me passou ou se procuro outra gastro. Você já leu algo sobre isso? Não achei nada na internet que fizesse essa relação.

    Responder
  2. eliene oliveira de lima carvalho
    eliene oliveira de lima carvalho says:

    sofro muito com a sindrome intestino inrritavel não concigo ganhar pesso. tenho 48 anos peso 41kg tomo o duspatalim ja fiz varios exames tudo normal.

    Responder
  3. Andréia
    Andréia says:

    Oi Li,

    Nunca li algo que me aproximasse tanto de alguém pois tenho tuuuudooooooo isso, são 20 anos com dor e ainda não descobri o que tenho, já fiz Colonoscopia, Ressonância e nada absolutamente nada, já teve dias em que o medico abriu me exame e disse” vc está otima não deu nada” e eu cair aos prantos no consultório pois queria que encontrasse algo que eu pudesse tratar.
    Minha luta ainda continua em busca da descoberta torço para que chegue logo este dia pq de fato não aguento mais! Hpje estou em um dia de crise pois estou com tanta dor e seu artigo me fez rir , pois escreveu de uma forma engraçada.
    Obrigada continue escrevendo

    Responder
  4. Cíntia Simões
    Cíntia Simões says:

    Perfeito seu texto!!! Depois q passei por uma série de exames através do acompanhamento de uma proctologista q diagnosticou em exames negativos e mesmo assim perdi 15kg em 6 meses procurei ajuda psicológica e psiquiatra os quais me ajudaram mtooo..hoje sigo basicamente o que vc mencionou e me sinto mtooo bem graças a Deus!!!

    Responder
  5. Talita
    Talita says:

    Li Mendi, estou sofrendo disso, e acho q tenho essa sindrome, rí muito com o seu texto pq tudo que vc relata é verdade até promessa ja fiz!!!! Por bem, vc me ajudou muito, ja estou seguindo as dicas dos alimentos até conseguir ser atendida pelo medico! Muito obrigada! Belo texto! Vai ajudar mto gente ?

    Responder
  6. ANTÔNIO
    ANTÔNIO says:

    Prezada Li,
    Agradeço a inclusão do comentário em seu blog. Vale observar que, em certas pessoas, giárdia, ameba e candidíase (cândida) não provocam qualquer sintoma. Lembrei-me de algo que também pode ser útil para pessoas “sensíveis” à presença de verminoses e certas bactérias no trato gastrointestinal. É a solução de dióxido de cloro, usada em tratamentos da medicina ortomolecular: SOL DE ClO2 3000 ppm; uso com orientação médica. Trata-se de medicação manipulada, usada para “limpeza” do trato gastrointestinal, auxiliar também no combate à bactéria H-pilori. Mais informações no site: http://www.centralfarma.com.br. Essa farmácia envia a medicação pelos correios. O atendimento por telefone é rápido e efetivo.

    Responder
  7. ANTÔNIO
    ANTÔNIO says:

    Passei três anos correndo atrás de gastroenterologistas, dezenove somente aqui em minha cidade. Dois anos com diarreia severa, que não parava nem com uso de IMOSEC. O diagnóstico era sempre “SII”. Gastei R$ 30.000,00 com o tratamento (aplicação de Ozônio, vitaminas injetáveis, comida cara de passarinho, etc). Perdi 20 quilos, e fiquei esquelético. Nunca dei muita credibilidade a esse diagnóstico “SII”! O que eu tinha era “sujeira” no trato gastrointestinal. Não sei ao certo se giárdia, ameba, necatos… Tomei, por conta própria, SECNIDAL e, em seguida, ANNITA. A cura foi imediata. Voltei a comer tudo, tudo. Queijo gostoso, pizza, comida gostosa e bem calórica com muito leite condensado, manteiga e chocolate. Pediria que incluísse o comentário em seu “site”, pois pode ser útil para pessoas que ainda estão sofrendo e acreditando nos diagnósticos concedidos por médicos imediatistas e que têm preguiça de raciocinar. BE YOUR OWN MEDICAL DOCTOR! SURELY, YOU WILL NOT REGRET. NEVER, EVER! Antônio.

    Responder
    • Li Mendi
      Li Mendi says:

      Antônio, que bom que você conseguiu um caminho. Eu fiz uma bateria de exames para todos os tipos possíveis de parasitas, vermes e afins e tudo deu negativo. Mas, acho sempre válido tomar um remédio de vermes sim. Fica aqui sua dica nos comentários.

      Responder
      • ariel
        ariel says:

        Eu até hoje 4 anos apos me sentir mal SOFRO as dores do parto de gemeos pela bunda! Como doi, todo dia, toda hora, a todo momento…tem dia q tá bom, tem dia que nao tá e assim fica por dias! Nda tem dado resultado, ja fiz 3 colonoscopia, 3 Tomo de abdomem total, exames de fezes e o diabo a 4…socorro!

        Responder

Deixe uma resposta

Quer fazer um comentário?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *